Paulo Guedes, de máscara, segura e observa a tela do telefone celular com os óculos erguidos acima do rosto
Paulo Guedes no Palácio do Planalto: trabalho frente à equipe econômica é “bom” ou “ótimo” para 25% dos que dizem conhecê-loSérgio Lima/Poder360 – 27.set.2021

A avaliação do ministro Paulo Guedes (Economia) piorou entre os que dizem conhecê-lo, mostra pesquisa PoderData realizada nesta semana (11-13.out.2021). Hoje, 35% deste grupo avaliam o trabalho do economista frente ao Ministério da Economia como “ruim” ou “péssimo”, uma alta de 9 pontos percentuais em comparação a fevereiro de 2021, quando a divisão de pesquisas do Poder360 fez a pergunta pela última vez.

Nos últimos dias, Guedes tem enfrentado amplo noticiário negativo. O ministro ainda deve explicações sobre a sua offshore nas Ilhas Virgens Britânicas, descoberta na investigação Pandora Papers, que o Poder360 integra. Também tem sido criticado pela alta da inflação nos últimos meses.

A taxa de avaliação do trabalho do ministro como “bom” ou “ótimo” caiu de 28% para 25% no mesmo período. Não teve variação significativa, considerando-se a margem de erro de 2 pontos percentuais para cima ou para baixo. A alta no percentual de “ruim/péssimo” se deu especialmente sobre o grupo que antes avaliava o trabalho de Paulo Guedes como “regular”. Este despencou 10 pontos, de 41% para 31%.

O PoderData perguntou aos entrevistados sobre o seu nível de conhecimento do ministro antes de questioná-los sobre a avaliação do seu trabalho. A opinião sobre a gestão dele coletada pela pesquisa inclui só os que afirmam conhecê-lo bem ou “de ouvir falar”. Exclui os que dizem que não o conhecem.

A pesquisa foi realizada por meio de ligações para telefones celulares e fixos. Foram 2.500 entrevistas em 469 municípios nas 27 unidades da Federação de 11 a 13 de outubro de 2021.

Para chegar a 2.500 entrevistas que preencham proporcionalmente (conforme aparecem na sociedade) os grupos por sexo, idade, renda, escolaridade e localização geográfica, o PoderData faz dezenas de milhares de telefonemas. Muitas vezes, mais de 100 mil ligações até que sejam encontrados os entrevistados que representem de forma fiel o conjunto da população.

A margem de erro é de 2 pontos percentuais. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto.

O percentual de pessoas que afirmam conhecer o trabalho do ministro se mantém relativamente constante em um patamar próximo dos 90% desde setembro de 2020, quando o PoderData começou a fazer essa pergunta aos entrevistados. Há variação na parcela dos que dizem conhecê-lo bem –hoje em 48%, alta de 7 pontos percentuais em comparação a 8 meses antes– e dos que dizem só ter ouvido falar nele –atualmente em 46%, queda de 5 pontos em relação a fevereiro de 2021.

COLADO A BOLSONARO

Os entrevistados que têm uma avaliação do trabalho de Jair Bolsonaro como “bom” ou “ótimo” tendem a enxergar a gestão de Paulo Guedes da mesma forma. Eis o desempenho do ministro em cada uma das faixas de avaliação da condução do presidente.

A cada duas semanas, o PoderData pergunta aos entrevistados sobre a avaliação que têm sobre Bolsonaro e seu governo. De acordo com este levantamento, o presidente faz um trabalho bom ou ótimo para 29% dos brasileiros e ruim ou péssimo para 53%. A aprovação do governo está em 33%; a reprovação, em 58%.

ESTRATIFICAÇÃO

O trabalho de Paulo Guedes é melhor avaliado por pessoas de 45 a 59 anos e na região Centro-Oeste. Sua gestão tem as maiores taxas de “ruim” e “péssimo” entre os jovens de 16 a 24 anos e pessoas que chegaram a cursar o ensino superior. Leia abaixo os recortes por sexo, faixa etária, região e nível de escolaridade.

PESQUISAS MAIS FREQUENTES

O PoderData é a única empresa de pesquisas no Brasil que vai a campo a cada 15 dias desde abril de 2020. Tem coletado um minucioso acervo de dados sobre como o brasileiro está reagindo à pandemia de coronavírus.

Num ambiente em que a política vive em tempo real por causa da força da internet e das redes sociais, a conjuntura muda com muita velocidade. No passado, na era analógica, já era recomendado fazer pesquisas com frequência para analisar a aprovação ou desaprovação de algum governo. Agora, no século 21, passou a ser vital a repetição regular de estudos de opinião.